E a família, como vai?


Por: Mônica Kmieczik

Gostaria que você realmente pensasse antes de responder, pare uns minutinhos e pense em tudo o que tem acontecido em seu lar. Isso será muito importante para podermos alcançar o objetivo deste artigo.

E o mundo, vai bem? 

Se analisarmos os acontecimentos veremos que estamos vivendo um caos, aumento da depressão, assaltos, divórcios, assassinatos e por aí vai. Estou tentando comparar os dois ambientes, mundo e lar.

Muitas vezes queremos consertar o mundo ou ajudar multidões e deixamos nosso lar de lado, não me refiro somente aos pais, mas a família; seja pai, mãe, filho, filha, avós, enfim.
Acredito que você já tenha me respondido sobre a sua família, talvez não esteja um caos, mas com certeza algumas dificuldades estão atravessando. Gostaria de trazer a lembrança o nosso (a) melhor amigo (a): quantas vezes aconselhamos, abraçamos e choramos junto? Poderia fazer um comparativo em relação a um irmão ou irmã, ou pai e mãe.

Por que é mais fácil dar esse carinho e essa atenção para quem esta fora de casa? Será que é porque não estamos convivendo 24horas por dia? Nossa família nos “aguenta” a todo o momento, em dias de alegria, de tristeza, comemora nossas vitórias.

Quantas famílias estão sofrendo dentro da mesma casa e vamos para fora para dar o abraço, para emprestar o ouvido ou o ombro. Como podemos amar nosso (a) melhor amigo (a), se não amamos nossos irmãos? Nosso próprio sangue, pessoas que Deus nos presenteou e nos deu para cuidarmos.

Como podemos cuidar das feridas de quem não conhecemos se ferimos nossas mães, pais, esposa ou esposo. Ferimos quem deveríamos amar e cuidar. Algo está muito errado, o mundo só será sarado quando entendermos esse propósito, família sarada é sinônimo de sociedade curada. Note que ainda não trouxe o tema para um âmbito cristão, pois isso deveria ser natural no meio familiar, amar pessoas que fazem parte de nós e de nossa história.

Mas se aos olhos humanos é algo difícil amar, cuidar e perdoar nossa família, quero trazer um exemplo lindo de amor e dedicação, Rute! 

Ela amou a sua sogra. Talvez você possa me falar: "Ah, mas, ela abandonou sua mãe, sua casa..." enfim a bíblia não deixa claro quem era a família de Rute. Apenas quero comentar que quando Rute se casou passou a integrar a família de seu esposo.

Usando da sinceridade, de todos os relacionamentos familiares o mais complicado é entre sogra e nora, concordam? Mas nesse caso havia um amor tão grande entre ambas que Rute não pôde deixar sua sogra sozinha. Sai de sua terra, abandona seus costumes e segue junto com Noemi. Vemos aqui vários motivos para que as duas não se dessem bem: costumes diferentes, religião diferente. Talvez não pareça tão difícil lendo o que escrevo, mas tente imaginar o dia a dia entre as duas. O começo, adaptação, o abrir mão do egoísmo, o abaixar a cabeça. Acredito que as duas optaram por amar e não odiar, as vezes não escolhemos odiar, mas optamos por uma disputa que leva a atritos na relação que acaba afastando os irmãos, cônjuges, pais e filhos. E depois, voltar atrás e pedir perdão reconhecendo o erro é mais difícil. 

Ouvia uma amiga falar: "é melhor não pecar para não ter que pedir perdão, é mais difícil pedir perdão." O amor é a cura para o mundo, mas se as nossas famílias estão adoecidas pela falta do mesmo, então entendo que não estamos oferecendo o amor verdadeiro e genuíno ao mundo. 

Permita que Deus restaure sua família, como fez com Rute e Noemi, seja o amor que falta, seja o braço do abraço, seja a mão que seca as lágrimas, seja a boca que fala do amor, seja os olhos da compreensão. Seja o suporte para a caminhada da sua mãe, do seu pai, seus irmãos. Seja a força para quem está fraco. Lembre-se, estamos falando do ambiente familiar. Quanto tempo irmãos estão sem se falar? Mães e filhas: filhas que se perdem por não confiar na própria mãe!

Gostaria que os filhos meditassem no que vou escrever agora: 

Se uma mãe deu a vida para um filho, ficou noites sem dormir para poder cuidar do filho, trabalhou e lutou para poder dar o melhor para os filhos, porque iria aconselhar os filhos para o Mal? 

Confiem em seus pais, eles querem o melhor para você, mesmo que o castigo ou o sermão pareça ser ruim ou chato. Pode ter certeza eles querem o melhor para os filhos e dariam a vida por eles, melhor, já tem dado a vida pelos filhos. 

Para encerrar, deixo as palavras de Rute a Noemi: 

Não me instes para que te deixe e me obrigue a não te seguir, porque, aonde quer que fores,irei eu e, onde quer que pousares, ali pousarei eu , o teu povo é o meu povo, o Teu Deus é o meu Deus. Onde quer que morreres, morrerei eu e ai serei sepultada, faça me o Senhor o que bem lhe aprouver, se outra coisa que não seja a morte me separar de ti. 

Seja o amor de Deus aqui na terra e comece pela sua família.

Sites da rede